| |
+55(62)3481-1370

Posse-GO, em às 12:47:40

Maternidade do Hospital Municipal de Posse se destaca no NE Goiano

A Maternidade do Hospital Municipal de Posse (HMP) apesar da crise da saúde no Brasil, tem se destacado, assim como as demais alas do Hospital, pela eficiência e excelência no atendimento. 

 Nos últimos 120 dias foram feitos no total 113 partos, entre normais e cesarianas. Segundo a diretora administrativa do HMP, Aparecida Sabina Vaz, mais conhecida como “Cida” foram realizados 42 partos em maio, 43 em junho e 28 até o dia 28 de julho.
Além do expressivo número de atendimentos as reformas no Hospital não param. De acordo com a diretora todas as camas estão sendo reformadas, pintadas, os berços também, além dos colchões estarem sendo trocados ou reformados. O trabalho de reforma foi feito pelo detento Maiones, que se voluntariou para a tarefa e o material usado foi todo doado pela iniciativa privada para Associação Amigos do Hospital Municipal de Posse.
Estes números são muito importantes por dois fatores, explicou Cida. “Em primeiro mostra que tivemos, após a reforma do Centro Cirúrgico, uma grande redução no número de remoções não eletivas, isto é emergenciais em maternidade, e em segundo, que apesar de algumas denúncias infundadas, que levaram a uma inspeção do Ministério Público em nossas instalações há menos de 15 dias, nada foi encontrado que desabonasse nosso trabalho e levasse a uma interdição, como já ocorreu há vários anos”.
A Maternidade do HMP é muito importante não só para o nosso município, mas para toda a região Nordeste do Estado, ressaltou a secretária municipal de Saúde, Bete Manieri. Segundo ela e a diretora do Hospital, Cida, a Maternidade atende pacientes de Mambaí, Iaciara, Guarani, Nova Roma, Rosário (Bahia) Simolândia e Alvorada do Norte, entre outros povoados e municípios da Região. “Cerca de 20% do nosso atendimento na Maternidade são de pacientes de fora de Posse”, disse Cida
Segundo Manieri, o maior problema enfrentado pelos pacientes que são de fora é o fato deles omitirem seus endereços com medo de não serem atendidos por não serem de Posse. “Isto prejudica principalmente o acompanhamento após parto. Nós temos a obrigação de atendê-los e não há necessidade de se omitir ou mentir sobre o endereço”, ressaltou a Secretária de Saúde.

Postado por: Departamento de Comunicação